The page you're viewing is for Portuguese (LATAM) region.

Parceiros

The page you're viewing is for Portuguese (LATAM) region.

A próxima geração do Edge

Jack Pouchet •

A próxima geração do Edge: O que podemos aprender com a evolução das arquiteturas celulares

Com a avalanche atual das atividades em torno do edge, a história real do edge computing fica sombria- uma evolução progressiva, marcando vários avanços tecnológicos significativos. As primeiras interações do edge eram simples armários de rede, obrigando apenas TI ser suficiente para suportar as necessidades no local. Eles se conectavam ao mundo externo por meio de modems de baixa velocidade e baixa largura de banda e POTS (serviço de telefone antigo comum - pense nos Jogos de Guerra e naquele modem dial-up) e tinham pouca ou nenhuma conectividade em tempo real pela Internet. Chamar-lhes a edge de rede seria um exagero, mas esses modestos armários de TI representam claramente a gênese da vantagem mais robusta de hoje.

O impacto do 3G e do 4G LTE

A introdução das tecnologias de celular 3G e wi-fi mudou o perfil dos primeiros armários de rede, introduzindo roteadores e recursos sem fio e abrindo as portas para aplicativos focados no consumidor. Logo, a Starbucks e o McDonald's alavancaram o serviço wi-fi como uma vantagem competitiva para atrair consumidores que buscam conectividade e os aeroportos usaram a tecnologia para tornar a espera por voos consideravelmente menos miseráveis.

Eventualmente, o 4G LTE trouxe conectividade móvel e a computação para as massas - primeiro nas principais metrópoles, mas o alcance se expandiu rapidamente. E, embora o escopo e a natureza da computação 4G e móvel variem em todo o mundo, ela não é de forma alguma limitada aos EUA e aos países desenvolvidos da mesma forma. Na África, por exemplo, toda a infraestrutura de TI é habilitada para wi-fi em um backbone 4G. Como a demanda por computação e vídeo em alta velocidade aumentou, também aumentou a necessidade de recursos de borda mais robustos.

O estágio futuro: 5G

Hoje estamos vendo uma série de casos de uso emergentes que afetarão os sites de edge atuais e a rede celular. À medida que analisamos esses casos de uso na Vertiv, identificamos quatro arquétipos principais de edge:

  • Dados Intensivos
  • Sensível à latência humana
  • Sensível à latência de máquina a máquina
  • Vida Crítica

A evolução celular tem convergido cada vez mais com esse edge de TI, que também está evoluindo e não é difícil traçar alguns paralelos entre eles - sem mencionar o progresso em direção a um objetivo compartilhado. As redes de celular 5G, atualmente em desenvolvimento, dependerão mais do que nunca das tecnologias de última geração de TI para permitir aplicativos dependentes de edge, como a Internet das Coisas (IoT), veículos autônomos e cidades inteligentes.

Eventualmente, veremos semáforos coordenados com dados em tempo real sobre o fluxo de tráfego e o clima, ajustando suavemente para veículos de emergência a fim de criar um sistema de transporte ultra-inteligente - tudo isso possível graças às tecnologias de edge e 5G. A realidade virtual nos permitirá experimentar esportes e entretenimento de maneiras totalmente novas e possivelmente mudar fundamentalmente a maneira de como ensinamos e aprendemos.

E não está tão longe quanto você imagina; aplicativos como o Waze já oferecem benefícios semelhantes. Esse é um ponto importante: há uma tendência para pensar que esses tipos de avanços serão impulsionados pelo governo, mas é mais provável que eles sejam impulsionados pela iniciativa privada. O desenvolvimento de aplicativos e serviços amigáveis ao consumidor aumentará o investimento em infraestrutura e influenciará as arquiteturas de edge e 5G que surgirem. É provável que os sistemas de infraestrutura governamental e civil estejam em jogo.

Uma observação importante sobre as arquiteturas celulares 5G: não sabemos como elas serão. Sabemos que elas permitirão mais aplicativos de consumidores e provavelmente outros que ainda não imaginamos. A arquitetura de rede, no entanto, permanece em grande parte especulativa.

É seguro apostar que as redes sem fio aumentarão significativamente. Afinal de contas, mais sites serão necessários para atender à demanda crescente. Com isso em mente, é mais provável que os fornecedores dependam da cobertura sobreposta de redes densas para cobrir as interrupções de energia em um determinado local, alterando a equação de energia de backup. À medida que as baterias saem, equipamentos adicionais de computação - com requisitos térmicos diferentes do que os equipamentos de telecomunicações tradicionais - serão transferidos, provavelmente aumentando as necessidades de infraestrutura no local da torre. Novamente, é um modelo de edge / 5G mais convergente.

Se preparando para entrar na próxima geração do 5G

O que tudo isso significa para as empresas que planejam implantações de ponta hoje?
Três coisas:

  1. O edge da próxima geração deve estar pronto para o 5G. Você deve se questionar, isso será possível quando o 5G ainda não está definido? Podemos não saber os detalhes, mas sabemos disso: quando dizemos que o edge deve estar pronto para o 5G, o que isso significa é que ele deve estar pronto para a comunicação. Essa é a chave. E já existem soluções disponíveis - a Vertiv é líder nesse quesito - fornecemos sistemas de edge escaláveis e totalmente integrados com recursos de comunicação de última geração.
  2. Arquiteturas existentes de telecomunicações / cloud / colo evoluirão para atender às necessidades de edge. Os escritórios centrais se transformarão em centros de dados urbanos. As empresas de computação em nuvem e colo continuarão expandindo sua área de cobertura para fornecer serviços próximos aos usuários. Combinado com a implantação contínua de infraestrutura local pronta para o edge, combinada aos arquétipos e seus casos de uso, isso criará um ecossistema de edge que se estende muito além das implantações tradicionais de edge com pequeno espaço.
  3. O modelo de pessoal para data centers e edge vai mudar. Os datacenters corporativos e de hiperescala da atualidade serão mais inteligentes do que nunca e estão se movendo em direção a operações de eliminação de luz que não exigem praticamente funcionários em tempo integral. As instalações de ponta não precisam de funcionários em tempo integral para executá-las, mas precisam de pessoal de suporte e técnicos de serviço. Lembre-se de que estamos falando de milhares de sites de edge em uma única rede. Isso vai exigir um aumento maciço no pessoal de serviço. É o modelo de telecomunicações, e há uma boa chance de as empresas de telecomunicações e empresas com ativos de TI de ponta desenvolverem acordos de serviços compartilhados. É claro que isso cria problemas adicionais, entre eles a segurança de dados, mas isso é assunto para outro blog.

Se pudermos aprender alguma coisa com a evolução das arquiteturas de celular, conforme se aplica à vantagem da TI, é que o progresso não é previsível e não acontece em uma linha reta. Empresas inteligentes são flexíveis e tentam se adaptar ao que vem pela frente, ao futuro. O que está claro é que o futuro da computação está no limite. E para entrar nesse futuro da maneira mais eficiente o possível, precisamos mudar fundamentalmente a maneira como pensamos sobre computação de edge e redes distribuídas, aceitar novos modelos para datacenters corporativos tradicionais e escritórios centrais de telecomunicações e investir em tecnologias projetadas especificamente para um futuro no Edge.

Conteúdo Relacionado

PARCEIROS
Overview
Comprar Produtos e Serviços

Selecione o seu país e idioma