The page you're viewing is for Portuguese (LATAM) region.

Parceiros

The page you're viewing is for Portuguese (LATAM) region.

3 Condutas para Garantir que a sua Infraestrutura de TI Esteja Preparada para a Telemedicina em Curso

Organizações do setor de saúde, variando desde grandes sistemas hospitalares e instalações ambulatoriais afiliadas até pequenas clínicas médicas independentes - e tudo o que há entre eles, viram o volume das teleconsultas se multiplicar exponencialmente nos últimos meses. Além de proteger os pacientes contra os riscos da COVID-19, essas consultas virtuais proporcionam diversos benefícios para os fornecedores de serviços de saúde dependendo do tipo, tamanho e localização da instalação. Maior engajamento e maior satisfação dos pacientes, custos de entrega reduzidos, melhor uso dos limitados recursos do médico, acesso ampliado para as populações rurais e melhores desfechos para os pacientes são apenas algumas das razões pelas quais as teleconsultas permanecerão sendo a norma muito depois da ameaça da COVID-19 ter passado.

Conforme a indústria ultrapassa a fase de resposta emergencial e passa para o que será, com certeza, uma nova era na telemedicina, onde consultas virtuais podem, em alguns casos, usurpar os cuidados presenciais, agora é a hora de começar a planejar e implementar melhorias na infraestrutura que será necessária para dar suporte às mudanças e assumir o aumento significativo na carga. Para a maioria das instalações, será quase uma obrigatoriedade ter mais largura de banda para garantir a entrega ininterrupta dos serviços de telemedicina. Mas conforme o "canal" se torna maior, é importante lembrar que também será necessária alimentação de energia mais robusta, mais refrigeração e mais soluções de monitoramento e gerenciamento de TI para proteger a rede e os dados dos pacientes e evitar downtimes do sistema. Além disso, a capacidade de computação e a amplitude da largura de banda não são relevantes se a conectividade for perdida ou se a segurança for quebrada.

Evitar a queda da alimentação de energia ou do acesso à internet no meio de uma teleconsulta - um incidente que no melhor caso será um inconveniente e no pior cenário será um risco para a vida - requer energia de backup para os equipamentos críticos, distribuição de energia confiável, sistemas de gerenciamento térmico que lidem com a saída de calor gerada por equipamentos de TI adicionais e recursos de monitoramento, acesso e controle remotos que possibilitem a resposta a incidentes em tempo real. Ao mesmo tempo, fortalecer a segurança da infraestrutura de TI será extremamente importante para manter as informações confidenciais do setor de saúde em segurança durante as teleconsultas.

A seguir estão três condutas que podem servir como uma orientação quando você customizar um roadmap de melhorias na infraestrutura que preparará a sua instalação para atender com segurança e de forma confiável as demandas do novo normal da entrega de serviços de saúde.

1. Construir redundância em sua infraestrutura de telemedicina para minimizar as disrupções no cuidado do paciente.

Se a conexão cair durante uma teleconsulta, os pacientes irão, no mínimo, perder um valioso tempo de interação com os fornecedores. Eles podem ter dificuldade para reagendar, o que pode colocar em risco o desfecho. Os riscos são mais altos e as consequências são ainda mais severas se a conexão cair quando cirurgiões estiverem fazendo uma consulta virtual durante um procedimento no centro cirúrgico.

Independentemente de como a sua instalação específica usa a telemedicina, é essencial criar uma proteção com energia de backup diretamente para os computadores e outros equipamentos de rede que habilitam esses recursos. Por exemplo, nos consultórios dos médicos ou em estações de enfermagem de grandes instalações, soluções de pequenas fontes de alimentação de energia ininterrupta (UPS) para desktops podem ser adicionadas aos computadores que serão dedicados à telemedicina. Boas opções para a alimentação de energia da telemedicina incluem unidades de UPS para desktop, on-line ou linha-interativa.

O gerenciamento de TI também deve ser parte da solução no nível do desktop. Acrescentar switches KVM para desktop dará suporte à privacidade e ao compliance com os regulamentos da HIPAA. Os switches permitem que os usuários facilmente transfiram entre funções, proporcionando um ponto de acesso único para os sistemas críticos e garantindo que os equipamentos usados para fins de telemedicina sejam mantidos em segurança.

2. Modernizar os antigos gabinetes de rede e infraestrutura de TI da saúde para dar suporte às necessidades da maior largura de banda e lidar com volumes de dados maiores.

Uma vez que nossas estações de trabalho tenham suporte e estejam seguras, é hora de pensar para mais upstream do data center, armários de rede e salas de servidores que abrigam os equipamentos de TI dos quais a sua instalação depende todos os dias. Dados os requisitos adicionais de largura de banda necessários para dar suporte às iniciativas de telemedicina, não há hora melhor como agora para reavaliar as antigas infraestruturas de energia e de refrigeração e procurar as fraquezas ou vulnerabilidades que precisam ser enfrentadas.

Energia

Especificamente, conforme são acrescentados novos servidores, roteadores e gateways para aprimorar ainda mais a telemedicina, torna-se necessário pensar sobre as suas estratégias de proteção da alimentação de energia e de distribuição de energia. Pode ser que esse seja o momento certo para considerar fazer um upgrade para sistemas UPS linha-interativa com maior capacidade ou até mesmo sistemas UPS dupla conversão on-line que proporcionam monitoramento contínuo e proteção premium para a energia. Você pode também precisar adicionar mais unidades de distribuição de energia (PDUs), as quais fornecem tomadas adicionais para dar suporte a novos equipamentos. As PDUs Básicas garantem a entrega confiável de energia para cada dispositivo. Versões mais sofisticadas, incluindo rack PDUs com medição, monitoradas e chaveadas, oferecem recursos adicionais, incluindo a capacidade de monitorar e controlar remotamente a alimentação de cada ativo individual ou até reinicializar remotamente um servidor, se necessário.

Refrigeração

Todos esses novos equipamentos de telecom e de TI obviamente geram mais calor, então, também precisarão ser consideradas soluções de gerenciamento térmico para seu gabinete de rede. Diversos sistemas de refrigeração de precisão são projetados especificamente para gabinetes de rede e pequenas salas de servidores e podem tanto ter montagem no teto quanto no rack, para liberar o valioso espaço útil para os equipamentos de TI. As atuais soluções de gerenciamento térmico são projetadas tanto para confiabilidade quanto para eficiência, proporcionando o nível de proteção para os equipamentos que a sua instalação necessita - agora mais do que nunca -, ao mesmo tempo em que ajudam a controlar suas despesas com energia elétrica.

Monitoramento

Para maior tranquilidade ainda, você pode complementar as soluções de energia e de refrigeração com recursos adicionais de monitoramento que podem ser proporcionados através de uma combinação de soluções de PDUs inteligentes, sensores wireless, sistemas de detecção de vazamentos e softwares de monitoramento ambiental. Estas soluções ajudam a identificar potenciais problemas ambientais e no desempenho de equipamentos, e possibilitam respostas em tempo real aos problemas, permitindo que as equipes de TI ou de facilities tenham uma abordagem proativa para manter o equipamento funcionando e evitar downtimes do sistema que possam comprometer o sucesso da entrega da telemedicina.

Gerenciamento de TI

No nível do rack ou do gabinete de rede, acrescentar um servidor de console ou uma plataforma de gerenciamento centralizado contribui ainda mais para a segurança da rede. Essas soluções protegem contra a falta de energia que atinge todo o sistema através da criação de uma rede de gerenciamento fora de banda (OOB) que é separada da rede de produção e proporcionando um ponto único de entrada para o OOB. A equipe de TI pode acessar com rapidez o OOB para identificar e resolver problemas que possam eventualmente interromper a capacidade de entrega da telemedicina por horas, se não dias, driblando um cenário potencialmente desastroso.

Organização e Armazenamento de Equipamentos

Quando pensar com cuidado sobre todos esses upgrades nos equipamentos, não esqueça de levar em consideração a sua infraestrutura de armazenamento. Escolher racks que possam dar suporte a um ambiente de maior densidade e acrescentar uma camada adicional de segurança podem proporcionar a flexibilidade necessária para continuar a construir a sua infraestrutura em resposta às futuras demandas de TI.

3. Aproveite o potencial do edge computing para levar a sua infraestrutura para outro patamar.

Conforme o setor de saúde se torna mais digital, a capacidade de processar dados no edge se tornará cada vez mais importante. Processar dados perto da fonte promove maior segurança e eficiência, ao mesmo tempo em que reduz os custos e a pressão sobre a largura de banda. Essas vantagens são críticas conforme o setor de saúde aumenta enormemente a quantidade de dados que precisam ser processados a cada dia.  

As soluções de data centers micro e de edge simplificam dramaticamente o processo de implementação da infraestrutura de TI em locais no edge. Essas soluções pré-fabricadas integram equipamentos de TI, alimentação de energia, refrigeração, monitoramento e, às vezes, até supressão de incêndios e ventilação de backup para remover muito do trabalho braçal e das incomodações de construir uma solução a partir do zero. As soluções variam desde gabinetes compactos inteligentes que são ideais para filiais, até data centers completos que oferecem até 10 racks de espaço de armazenamento, permitido que as instalações adicionem a quantidade certa de capacidade para qualquer tipo de local no edge, frequentemente em uma questão de dias.

Essas soluções podem também ser adicionadas a um data center já existente quando capacidade adicional for necessária especificamente para dar suporte a aplicações de alta densidade, como IA ou, agora, a telemedicina. Acrescentar filas de capacidade independentes para funções dedicadas é, em geral, muito mais fácil sob a perspectiva da implementação do que integrar em racks ou gabinetes existentes. Além disso, proporciona aos gestores de TI a flexibilidade de acessar os quilowatts necessários demandados para o objetivo específico.

Esses mini data centers são também uma boa solução para dar suporte ao aumento da prestação de serviços de saúde que continuam a crescer em supermercados, farmácias e grandes varejistas nos Estados Unidos. E eles podem proporcionar infraestrutura pronta para dar suporte aos centros de comando distribuídos de telemedicina na medida em que os fornecedores estão fortalecendo suas soluções para a entrega de seus novos serviços de saúde digitais.

Os serviços de saúde digitais chegaram.

Fornecedores de serviços de saúde e seus departamentos de TI fizeram um trabalho excepcional de agir com rapidez durante a pandemia para fazer a transição para a telemedicina como uma forma segura de continuar a servir seus pacientes. Conforme a poeira baixa na crise global, fica claro que a telemedicina permanecerá na liderança da entrega dos serviços de saúde. E o TI terá um papel essencial para garantir o sucesso contínuo dessa solução. A boa notícia é que as adições, upgrades, retrofits ou trocas dos equipamentos de alimentação de energia, refrigeração, monitoramento e gerenciamento de TI - feitos em nome da telemedicina - também darão suporte ao avanço contínuo das tecnologias de monitoramento de pacientes, da IoMT e do surgimento do 5G. Sobretudo, as instalações estarão melhor posicionadas para continuar a atender as necessidades dos pacientes em nosso mundo cada vez mais digital.

Conteúdo Relacionado

PARCEIROS
Overview
Comprar Produtos e Serviços

Selecione o seu país e idioma